Ensino

Quem deve definir vagas nas faculdades?

sedação consciente com óxido nitroso

Orlando Monteiro da Silva, bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas (OMD) defende que as ordens deveriam ser ouvidas para a atribuição do número de vagas nas faculdades nacionais. O Presidente do Conselho Nacional das Ordens Profissionais (CNOP) sugeriu que a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) faça essa recomendação ao Governo e alertou ainda para o consecutivo aumento anual do número de médicos dentistas, tendência que não acompanha as necessidades do país.

Para o bastonário da OMD é preciso adequar a formação em medicina dentária . “Com a contribuição dos ministérios da Educação e da Saúde, e em articulação com as faculdades, poderia ser evitada a formação de profissionais sem ter em conta o grau de empregabilidade que Portugal oferece”, defendeu durante uma reunião do Conselho Consultivo da A3ES.

Já o Presidente do Conselho de Administração da Agência, Alberto Amaral, defendeu que é preciso melhorar o diálogo entre o ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e o ministério da Saúde, no sentido de articularem a adequação do número de vagas em medicina dentária, medicina, psicologia e outras áreas da saúde às necessidades do país.

Durante este encontro, que contou com representantes de várias ordens profissionais, esteve ainda em debate a emigração e a mobilidade profissional qualificada, que afeta vários setores.