Investigação

Cuidados preventivos podem não reduzir risco de cáries

cáries dentárias em crianças

A comunidade médico-dentária aconselha as consultas dentárias ainda durante a infância e nos Estados Unidos da América existe uma recomendação para que as crianças sejam vistas por um dentista logo aos seis meses de idade. Mas um estudo recente conduzido pela Universidade do Alabama mostra que os cuidados preventivos logo desde os primeiros meses de idade podem não reduzir o risco de desenvolvimento de cáries dentárias, como até aqui se pensava.

O estudo agora publicado revela que as crianças que receberam cuidados preventivos desde muito cedo tinham maiores probabilidades de receber cuidados dentários subsequentes, nomeadamente tratamentos a cáries dentárias, assim como mais despesas com cuidados dentários do que as crianças que não receberam cuidados dentários preventivos.

No âmbito deste estudo, os investigadores analisaram dados de cerca de 19 658 crianças entre os 0 e os três anos de idade de famílias com baixos rendimentos, 26% das quais receberam cuidados dentários preventivos antes do seu segundo ano de vida.

Os resultados agora divulgados mostram que não existem evidências de que os cuidados dentários preventivos durante a infância reduzam o risco de desenvolver cáries dentárias, independentemente de quem tenha prestado esses cuidados.

“Este estudo sublinha a necessidade de uma avaliação cuidadosa das recomendações clínicas baseadas em evidências”, refere Justin Blackburn, um dos investigadores envolvidos no estudo. “Mais estudos entre outras faixas populacionais e com base em dados administrativos podem ser necessários para mostrar os verdadeiros efeitos dos cuidados dentários preventivos desde cedo.”