Medicina do Sono

Associação Portuguesa distinguida com menção honrosa pela World Sleep Society

Associação Portuguesa distinguida com menção honrosa pela World Sleep Society

A Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono (APCMS) foi distinguida com uma Menção Honrosa pela World Sleep Society pelo seu trabalho na prevenção e consciencialização para as doenças do sono. Em entrevista à Saúde Oral, Miguel Meira e Cruz, presidente da APCMS e diretor clínico da Great Medical Solutions, revela-se orgulhoso por esta distinção e pelo facto de a medicina do sono ter “ganho nos últimos anos um protagonismo extraordinário”.

Para Miguel Meira e Cruz, o reconhecimento do seu trabalho e da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono deve-se “ao trabalho fantástico que eu e a minha equipa temos vindo a realizar desde 2012 e que tem sido reconhecido por colegas de diferentes especialidades e por todos aqueles que, de uma ou de outra forma, abraçam o sono como aspeto fundamental, por um lado, da nossa fisiologia, permitindo-nos viver e sobreviver, por outro como especialidade que atravessa diferentes disciplinas médicas e afins possibilitando a otimização diagnóstica e terapêutica.”

Segundo Meira e Cruz “sem um sono adequado não se pode ser saudável”, uma mensagem que parece óbvia, mas sobre a qual ainda “muitos mantêm ignorância”. “É a segunda vez que o nosso trabalho é distinguido. No ano passado, por via de uma colaboração com a Sociedade Portuguesa de Hipertensão, realizámos no contexto do simpósio tradicional do Dia Mundial do Sono, uma reunião de grande valor sobre aspetos que relacionam sono, hipertensão e risco cardiovascular com impacto relevante do ponto de vista prático dado que muitas hipertensões resistentes têm como causa alterações relacionadas com sono insuficiente ou inadequado ou com doenças do sono como as perturbações respiratórias de que a apneia é o exemplo paradigmático.”

O especialista sublinha que, apesar das evidências mostrarem que a privação do sono está intimamente relacionada com a doença cardiovascular e metabólica, “ainda existem colegas que insistem com os doentes que ‘a apneia do sono é moda e que ressonar não faz mal a ninguém’! É incrível, mas acontece frequentemente.”

Já este ano, Miguel Meira e Cruz foi convidado para integrar o Grupo Latino-Americano de Cronobiologia e Medicina do Sono, que organizou o primeiro evento de sono no Paraguai. Além disso criou uma história infantil com um educador de infância com o objetivo de consciencializar as crianças para a importância do sono.

“O Henrique Santos, da Escola da Enxara do Bispo, em Mafra, e eu criámos uma história a partir da qual, em conjunto com a professora de dança Catarina Camocho, desenvolvemos uma palestra inédita, com dança e performance que aborda questões do sono de forma séria, criativa e acessível a crianças, pais, educadores e profissionais. Este espetáculo pedagógico tem o nome de ‘Nas asas do son(h)o’ e teve lotação esgotada (mais de 200 pessoas) na primeira edição e vai ser repetido durante o próximo ano em diversas regiões do país. O próximo espetáculo é já no dia 21 de julho no Auditório Beatriz Costa em Mafra”, conta.

O especialista refere também que a consciencialização para a importância do sono “é talvez um dos primeiros aspetos sobre o qual podemos atuar, não só numa perspetiva preventiva primária como secundária, mas também com um objetivo terapêutico bem definido.”

A próxima ação da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono nesse sentido será o ‘I Congresso Português de Cronobiologia e Medicina do Sono’, confirmado para março de 2018, para coincidir com o Dia Mundial do Sono. “Temos confirmado um painel internacional de grande reputação em medicina do sono e será um evento a não perder. Mas haverão outras novidades seguramente”, assegura Miguel Meira e Cruz.