Saúde Oral

Arranca hoje novo concurso de acesso de médicos dentistas ao SNS

Sabe quais são os quatro eixos estratégicos prioritários da OMD?

O Governo quer contratar mais médicos dentistas para novos centros de saúde que vão passar a disponibilizar consultas de saúde oral e o concurso arranca já hoje. A novidade foi anunciada por Orlando Monteiro da Silva durante a sessão solene de comemoração do Dia Mundial da Saúde Oral, que decorreu no auditório do Infarmed, em Lisboa, a 20 de março.

“O concurso abre no dia 21 de março e terá a duração de 45 dias. A OMD vai apoiar a SPMS, entidade responsável pelo concurso, para assegurar que todos os interessados compreendam bem como se submete uma candidatura para o concurso”, referiu Orlando Monteiro da Silva à SAÚDE ORAL. “Nos concursos anteriores houve muito pouco tempo para preparar as candidaturas, era a primeira vez que os médicos dentistas estavam a concorrer e agora estou convicto que o processo vai ser muito mais intuitivo. Vai ser mais fácil aos médicos dentistas concorrer”.

encontro OMD

Para o bastonário da OMD, o facto de o Governo querer alargar a presença de médicos dentistas a 50 centros de saúde de norte a sul significa que o projeto piloto está a ser bem-sucedido. “Foi o Ministério da Saúde que avaliou o papel dos médicos dentistas nesta primeira experiência piloto e se o projeto está a ser alargado é porque essa avaliação correspondeu ou superou até as expectativas do Ministério. Não é à OMD que compete fazer essa avaliação, mas o feedback que temos dos colegas que estão no Serviço Nacional de Saúde (SNS) é que estão motivados, com as condições adequadas para exercer a profissão e encontram-se satisfeitos”.

Alargamento do projeto de norte a sul

Na opinião de Orlando Monteiro da Silva era importante que o programa de integração de médicos dentistas nos cuidados de saúde primários do SNS fosse alargado a outras zonas do país e não apenas Lisboa e Vale do Tejo.

“Os médicos dentistas começam a estar por dentro do SNS e é fundamental que corra bem. É decisivo pois é algo que nunca tinha acontecido antes. E é fundamental harmonizar as condições de trabalho não só dos médicos dentistas das experiencias piloto, mas de outros médicos dentistas que, de forma dispersa, estão no SNS. Essa harmonização faz-se através da criação da carreira de medicina dentária e está nos planos do Ministério da Saúde implementar essa carreira”.

Pelas contas do Governo, ao todo são cerca de 6500 os doentes que foram tratados por médicos dentistas nos cuidados de saúde primários do Serviço Nacional de Saúde num projeto-piloto que vai ser alargado a 50 centros de saúde. Desde julho de 2016, quando começaram a ser introduzidas consultas de saúde oral nos centros de saúde, que já foram realizadas 8844 consultas e tratados 6420 doentes.

O Ministério da Saúde quer ter consultas de saúde oral em mais Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES), sendo que na Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte terão consultas de saúde oral o ACES Porto Oriental (dois centros de saúde), a Unidade Local de Saúde (ULS) Matosinhos (um centro de saúde), a ULS Nordeste (13 centros de saúde), o ACES Feira/Arouca (três centros de saúde), o ACES Douro Sul (três centros de saúde) e o ACES Baixo Tâmega (três centros de saúde).

encontro OMD - Saúde Oral

Na ARS de Lisboa e Vale do Tejo as consultas passam a existir no ACES Estuário do Tejo (três centros de saúde), no ACES Lezíria (três centros de saúde), ACES Médio Tejo (um centro de saúde), ACES Almada/Seixal (um centro de saúde), ACES Oeste Sul (dois centros de saúde), ACES Arco Ribeirinho (um centro de saúde), ACES Amadora (um centro de saúde), ACES Lisboa Central (um centro de saúde), ACES Lisboa Ocidental e Oeiras (um centro de saúde), ACES Sintra (dois centros de saúde), ACES Lisboa Norte (um centro de saúde) e ACES Loures/Odivelas (cinco centros de saúde).

Na ARS Centro vão ser contemplados os ACES Dão Lafões (quatro centros de saúde), a ULS Castelo Branco (um centro de saúde), ACES Baixo Vouga (um centro de saúde).

Na ARS Alentejo será o ACES Alentejo Central (três centros de saúde) e na ARS Algarve o ACES Algarve II Barlavento (um centro de saúde), o ACES Algarve I Central (um centro de saúde) e o ACES Algarve III Sotavento (um centro de saúde).

Para já as consultas incluem tratamentos básicos, que se fazem nos Centros de Saúde. “A reabilitação protética está a ser estudada, vamos ver como vai ser implementada”, garantiu Orlando Monteiro da Silva. “É fundamental a motivação e perseverança que o Secretário de Estado da Saúde tem tido para levar a que as promessas estejam a ser cumpridas. Não foi uma ação de propaganda, a medida tem resultados concretos”.

Mais informações sobre o concurso aqui.